quinta-feira, outubro 17, 2013

ABC SEXO- Dicas para as Mulheres




dicas para as mulheres
os homens gostam de:

uma massagem na cabeça, mãos e pés; não se esqueça destas áreas. pode
suscitar algumas das respostas sexuais mais imediatas da parte do seu parceiro.

sentir o seu hálito quente e a sua língua estimulando o pescoço, mamilos, abdómen, a parte interna dos braços e das pernas ou qualquer outro ponto
do corpo dele que lhe ocorrer. deve prosseguir com movimentos lentos, constantes e sensuais por cerca de trinta minutos, experimente igualmente passar um óleo por todo o corpo e, então, dependendo da disposição dos dois, pode enxugá-lo e desfrutar a calma intimidade desse momento ou untar-se de óleo também, escorregar contra o corpo dele e ver o que acontece.

o pénis

o facto de não possuir um pénis deixa a mulher em grande desvantagem no que diz respeito a saber como dar prazer ao companheiro. um dos grandes erros é supor que o que provoca uma sensação deliciosa no seu clitóris e na sua vagina ser igualmente bom nos genitais dele. errado! o pénis é uma coisa completamente diferente.
enquanto regra geral para a maioria dos clitóris é "quanto mais delicado melhor", para a maior parte dos pénis é "quanto mais firme melhor". você deve aprender a segurá-lo como, por exemplo, segura a sua raquete de ténis.
as partes mais sensíveis do pénis são a cabeça, a aresta em torno da base da cabeça, o longo veio que percorre toda a extensão do pénis no lado inferior e - provavelmente o ponto mais sensível de todos - o fino ligamento de pele que liga a cabeça ao corpo pelo lado inferior.

algumas das melhores formas para segurar e acariciar o pénis do seu companheiro; descansando o dedo indicador na pequena extensão de pele que vai da cabeça ao corpo; os outros dedos podem "trabalhar" o veio do lado inferior.
1 - repouse o polegar de encontro ao anel que circunda o corpo na face superior
2- posicione o polegar na base do veio no lado inferior, enquanto o outros dedos envolvem o corpo do pénis, o dedo mínimo descansando contra o anel do corpo.
3 - faça um círculo com o polegar e o indicador e deslize-o confortavelmente em torno da base do anel, como ponto de partida.

acariciando
agora que sua mão está estrategicamente posicionada, é hora de começar com um pouco
de acção. lembre-se apenas de três coisas para o toque perfeito: acaricie com firmeza, acaricie com suavidade e acaricie num ritmo constante.
se quiser que ele chegue ao clímax dessa forma, aumente a velocidade quando ele se aproximar do orgasmo. Mas no
se tem outros planos para o pénis enquanto ele ainda está duro, simplesmente retire a mão com delicadeza e suavidade quando sentir que o seu companheiro está a ficar excitado demais.
mas não se esqueça de distraí-lo imediatamente com um beijo profundo ou um "mergulho" em sua vagina.

variações

1 - amasse o pénis com suas duas mãos, como se estivesse a fazer massa de pão.

2 - role-o entre as palmas de suas mãos.

3 - acaricie o lado inferior com a palma da mão, enquanto pressiona o pénis contra a pélvis dele.

4 - forme dois anéis com os dedos polegar e indicador de cada mão. posicione-os próximos um ao outro no meio do corpo do pénis. puxe com delicadeza em ambas as direcções, simultaneamente.

5 - faça dois anéis, como no item anterior, desta vez, porém, posicione os dois na base do pénis. deslize a mão de cima na direcção da glande, deixando-a sair completamente na extremidade. em seguida, reposicione-a na base e repita o processo. o "anel" de sua outra mão deve exercer pressão para baixo, enquanto a primeira mão desliza para cima. prossiga repetindo essas carícias até ele implorar por clemência.

6 - role ou bata o pénis de encontro à sua barriga, coxa ou rosto.

7 - junte os seus seios com as duas mãos e deixe-o deslizar o pénis untado entre eles. de vez em quando, ele pode esfregá-lo em seus mamilos, ou poder alternar o movimento de vaivém com pausas para sugar seus mamilos. ou, enquanto ele está ocupado deslizando entre seus seios, você mesma pode estimular os seus mamilos. ele vai gostar de ver isso. ou, ainda, no fim de cada investida do pénis, deixe-o emergir de entre os seus seios e se enfiar na sua boca que o espera.


8 - outra ideia que é provável, você goste ainda mais do que ele: deite-se de costas e erga os quadris bem alto com a ajuda de travesseiros. convide-o a ajoelhar-se entre as suas pernas e deslizar o pénis lentamente sobre o seu clítoris e entrada da vagina. a penetração não é permitida!

continua...

quinta-feira, outubro 03, 2013

je considère l’amour comme l’unique attitude de la vie de l’homme.


"J’attache en amour un prix particulier à tout ce qui est nommé perversion et vice. Je considère la perversion et le vice comme les formes de pensée et d’activité les plus révolutionnaires, de même que je considère l’amour comme l’unique attitude de la vie de l’homme."

Dali “La femme visible” 1930

quinta-feira, setembro 12, 2013

Como é que se despe um corpo?

howard schatz
Não precipites a resposta, não lances já as mãos inquietas sobre a roupa. Demora-te. Começa pelo princípio. Pergunta primeiro: o que é despir um corpo?

Libertá-lo do que lhe pesa.
Do que o esconde.
Expô-lo.
Mas principalmente:
procurar entender.
Ler. Para além da superfície.

Começar com a nudez. De qualquer modo, é sempre assim que se começa. Com o mundo a exercer pressão sobre a pele. Lembrando que viemos apenas ocupar mais uma porção de vazio. Mas. Os vazios não passam de pontos de partida. Sonhar é decretá-lo. É afirmar que há algo que falta. Foi por aí que começou a NU.

A nudez não se escreve. Mas quisemos tentar. A ingenuidade faz parte do jogo: as melhores palavras são sempre as que parecem inúteis, as que insistem no impossível. Porque são escritas contra o bom senso, querem ir além do aconselhável. Sabem que dificilmente serão verdadeiramente novas e que jamais conseguirão entender o todo. Esta última frase, obviamente, deverá ser apagada da memória após a sua leitura. O que interessa é esta falsa inocência.

A NU é uma revista pretensiosa. Colocou a fasquia demasiado alta, teve a insolência de quem não podia perder. Quis ser mais do que seria de esperar de uma revista de estudantes, transbordar desde o início os limites da escola, da pouca idade, pensar sem dispensar o atrevimento. Quis aprender onde outros têm a pretensão de ensinar.

A NU quis fazer escola. O que não significa escrever a escola. Tal como construir o corpo não significa desenhar o umbigo. Fazer escola é construir pelo menos mais dez centímetros de mundo com estes instrumentos que nos colocaram nas mãos. Tal como construir o corpo é relacioná-lo com o que o envolve. A NU é um corpo. Qualquer corpo é uma construção lenta. As dores de crescimento foram várias.

Como em qualquer projecto amoral, há uma moral da história: não aceitar cegamente a moral dos outros, construir a própria. Em Coimbra, no meio de uma cidade e de uma universidade cansadas de tanto suportarem o peso da história e das tradições, a NU rasgou um caminho. Teve a sorte de surgir num lugar que ainda hoje se inventa, sem o lastro de uma marca registada, de doutrinas ou pensamentos mais ou menos únicos. Procurar a máxima pluralidade era a única via disponível. Nos temas, nas abordagens, nas colaborações. Nomes, rostos, palavras, ideias. Diferentes.

A NU foi construída sem piloto automático. Obrigou-se a pensar em cada metro percorrido. O caminho teve então de ser escolhido, arriscado. É difícil classificá-la porque a NU é propositadamente vaga no posicionamento. É demasiado irrequieta para ter um ponto de vista. A NU teve sempre uma tendência canibal, tentando devorar com critério mas sem cerimónias o que de mais marginal a arquitectura ia exibindo. Não procurando as unanimidades mas os fragmentos, a miríade de ideias e opiniões. Antes o confronto do que a anestesia. A NU quis apenas ser um olhar diferente.

É nesse caleidoscópio de vontades e insanidades que se vão descobrindo os espaços em branco, a preencher. O espírito NU é esse: cobrir de palavras o corpo, tatuá-lo com as verdades do momento. Começar na margem, no limite, para ir conhecendo a essência. Desviar do caminho óbvio em direcção ao que nos escapa na distracção dos dias, arriscando a miragem, o engano. A arquitectura nos lugares mais (in)suspeitos.

Porque
A arquitectura é: entediante. Quando se imobiliza deslumbrada com o seu reflexo. A arquitectura é demasiado lenta para que a pensemos devagar.
A arquitectura é: apaixonante. Quando se deixa infectar, subverter. A arquitectura vive dessa promiscuidade com o mundo. O resto é construção.

A NU procura a subjectividade porque em arquitectura só ela é objectivamente útil. Importa menos afirmar do que interrogar. Importa discutir, mais do que descrever. A diversidade é o único meio de tentar tocar em todas as feridas, de chamar a dor que chama a atenção que chama o pensamento.

Pensar a arquitectura é abandonar a pretensão de alcançar a verdade. O que importa é deixarmos as impressões digitais no papel, a sujidade dos dedos transferindo-se para a folha quase branca, admitindo que o que é real não pode ser puro. Não pode ser verdadeiro. A verdade não passa de uma bola de espelhos. O que a NU tenta fazer é escrever alguns dos seus reflexos. A responsabilidade acaba aí. Só fornecemos o sal. Cada um lança-o depois onde quiser. Na boca ou nas chagas.

Nudez.

Revelar aos olhos e às mãos o que se esconde por detrás do artifício. Por detrás das roupas, das palavras. Por detrás do enfeite, do ilusório.
Iludir um pouco mais, iludir diferente.
Quebrar barreiras, anular a distância de segurança.
Resistir a desviar o olhar, a cobrir a nudez onde ela nos fere.

visto no blog Epiderme, de Pedro Jordão
[publicado em "NU #18: Publicações", NUDA (2004)]

quinta-feira, julho 11, 2013

perdi


sobre a tela do teu corpo
pintei a mais desejada das obsessões
o desejo encontrado e dou-te o nome
da minha obsessão primária
não escrevo mais nada não digo mais nada
as minhas mãos paradas na tua pele
e o fumo que se ergue rumo à janela
a tua cabeça reclinada como se perdesses
e eu a dizer perdi. perdi sempre tudo.



Foto Victor Nieuwenhuijs

via: Art Nudes

domingo, junho 30, 2013

se me quiseres conhecer é lá contigo....

Foto Olaf Martens

se me quiseres conhecer é lá contigo
se me quiseres encontrar é lá contigo
se quiseres vir tomar chá
terei prazer em tomar chá
estou no lado, estou no sítio mal afamado,
e é lá que eu vou estar até te escutar.
ai! se me quiseres conhecer terei prazer
em tomar chá contigo, estou no sítio


não me consumas, não me consumas mais
que tu abusas, que tu abusas
não sou o espelho da tua vaidade,
nem a pastilha do teu à vontade
não sou canal de televisão
se me quiseres conhecer é lá contigo...
terei prazer em tomar chá. estou no sítio(?)

António Variações

sábado, junho 29, 2013



...he comes to me like an angel out of time

foto Olaf Martens

na escrita o supremo é imaginar…

Distortion by André Kertész, 1930
“ sentir pupila a pupila, no marulhar dos dias esquecidos a beleza entre os sexos húmidos deitados no mar de leito. Sopranas, as bocas, seus hálitos vêem o fogo movido no inebriamento e se arrebatam uma  á outra, cosidas á força de mil labaredas.
Os fluidos acendem-se nos braços, entre os nós das carnes e o sangue faísca ao som de qualquer palavra leviana...mente. Nos espelhos a imagens de duas linhas, paralelas em fulcro, no começo de um arremesso. As partes brilhando. Morrendo húmidas. Brilhando. A loucura soberana alangado todo os poros. Os sexos rugindo ecos. Em sitios dentro bebendo de leite e comendo-se na claridade que ainda não jorra. 
Os olhos são, as portas dançando e se unindo. Abrindo os quatro céus ao cerne da libertação das polpas, quase quase maduras…
A vulva queima, no seio do seu terrível escuro onde o pénis bebe grandemente, bebedeiras, desforradas em insónias e trevas imediatas. A foda é a expansão aluada de um sangue em forma de falo que mergulha abruptamente no ritmo que tudo ilumina, e de quem dela bebe, se embriaga tal como o pénis bebedor…
O amargo queima a língua no vórtice da sua acidez fertil. Na languidez perfida. Na volúpia intuitiva do sexo. A teia fecha-se, desentranhando as plumagens. Na vulva as águas espraem-se selvagens entre as imagens e a constelação. O sexo sorve-as. Fundamente e arranca-as porque tudo nelas afoga-se inevitavelmente em fogo.”
O tempo é então selado nos lugares altos e se transforma em profundas crateras . Nu desejo e ali permanece infinitamente dentro. As coadas respiram, agora, rencostadas no papel, na minha página, aqui escrita, transcrita na mente, essa musa, a Deusa que em mim suspira na imovel branca folha de papel…"


Luisa Demétrio Raposo

sexta-feira, junho 14, 2013

finalmente

nan goldin
finalmente
dentro
o calor da tua cama
dentro
indecifrável
a terra treme
aqui
cá dentro
vive o instante do beijo
tempo
dentro do tempo
o tempo sem fim
infindável
no meio da vida
vida
senso enorme
vive o instante da posse
dentro
aqui
o meu corpo toca o teu
dentro
finalmente
pare-se o tempo
prazer
o tempo dentro do tempo
no instante em que me dás o beijo
e o meu corpo toca o teu
a terra treme o sangue falha
pare-se o tempo
finalmente


sexta-feira, maio 17, 2013

previsão do tempo


Tiah Eckhardt
Céu pouco nublado ou limpo, apresentando períodos de muito nublado no litoral oeste a sul do Cabo Carvoeiro até meio da manhã e durante a tarde nas regiões Norte
e Centro.
Vento em geral fraco (inferior a 20 km/h) do quadrante
norte, soprando moderado (20 a 35 km/h) no litoral oeste.
Nas terras altas, vento moderado (20 a 35 km/h) do quadrante
norte, tornando-se moderado a forte (30 a 50 km/h) com rajadas
da ordem dos 70 km/h a partir do início da tarde e em especial
na região Sul.
Acentuado arrefecimento noturno com formação de gelo ou geada.
Pequena descida da temperatura mínima.

GRANDE LISBOA:

Céu pouco nublado ou limpo, apresentando períodos de
muito nublado até meio da manhã.
Vento fraco a moderado (10 a 25 km/h) de norte.
Acentuado arrefecimento noturno.
Pequena descida da temperatura mínima.

quarta-feira, maio 08, 2013

nan goldin
esquece-me. quero andar
ao sabor do meu instinto
cultivado na desgraça.

o amor,
- deixa um travo, mas passa.

não tenhas pena.

do alto do meu aprumo
desafio a tua verve:

- para morrer,
qualquer lugar,
qualquer corpo,
e qualquer boca me serve.


antónio botto

sábado, março 09, 2013


ao primeiro ministro fugiu a boca para a vontade Não há qualquer equivoco nas declarações de Passos Coelho, aliás já clarificadas por António Borges ministro sombra deste governo. Devia propor-se a tal senhor "António Borges" que vivesse a partir de agora com 431,70 euros mensais. Cinco IAS, como tecto máximo para qualquer cargo público, assessor ou gestor de empresas pública ou privadas! Será que esta proposta é aprovado em plenário?

segunda-feira, fevereiro 25, 2013


Aqui entre nós, acabei de ler que o Primeiro-Ministro fez, hoje, unhas de gel. Há factura que o comprova.


foto jean françois bauret

domingo, fevereiro 24, 2013

Strange Kind of Love

Foto James Houston
Se quiseres, posso tirar o vestido, disseste-me, com a tua mão a tocar-me o corpo feito pénis. O corpo é mais fácil de ser partilhado que a mente. Não mostro o que penso a ninguém – estavas a fazê-lo ao dizê-lo –, é muito pessoal, mas o corpo, esse, é do mundo, é para toda a gente ver. Se assim não fosse Deus faria tudo ao contrário. A mente estaria por fora, com os pensamentos bem à vista, e o corpo lá por dentro, escondido dos olhares alheios, camuflado pelos neurónios. Não achas? Os meus olhos gaguejaram enquanto te dizia que sim e te olhava para a face, pouco preocupado que ela até fosse pouco ou nada atraente. Afinal os sexos não são para ser bonitos.Unimos os desejos em minha casa ao som do Peter Murphy e com as janelas e cortinas abertas gritaste a letra toda do “Strange Kind of Love” aos saltos em cima de mim. No fim fizeste-me prometer que não me iria apaixonar por ti e confessaste que me tinhas enganado. Não te chamavas Carla. Eras Joana e o orgasmo tinha sido fingido.


Pedro Chagas Freitas in "PORQUE RIS, SABENDO QUE VAIS MORRER?"

ainda Miguel Relvas e "Grândola Vila Morena"

foto Thomas Synnamon
"Não deixar falar Miguel Relvas é diferente de interromper momentaneamente a antena totalmente ocupada com as palavras dele. Ele tem muito, mas muita mais voz do que a voz de qualquer um dos que estiveram no ISCTE.

Fala, marca conferências de imprensa, marca entrevistas, aparece todos os dias, várias vezes por dia, em todos os orgãos de comunicação social. Estala um dedo e aparece um jornalista ao lado dele para o ouvir.
É anedótico e oportunista tentar fazer passar o que se passou no ISCTE para um cenário de limitação da liberdade de expressão! Mais ridículo se torna sendo Miguel Relvas o protagonista.

Não esquecer o caso da censura ao programa "Este Tempo" da Antena 1, O caso do silenciamento (SILENCIAMENTO MESMO, DAQUELES SILENCIAMENTOS A SÉRIO) do jornalista Pedro Rosa Mendes, da Raquel Freire, o caso da Jornalista Maria José Oliveira do Público, ameaçada por Miguel Relvas (caso da ameaça de revelação de factos da vida pessoal)... portanto, tudo isto não deve ser esquecido.

Ou seja, no mínimo... nos tratados sobre democracia que escrevem os que agora aparecem a apoiar o senhor Ministro, estes casos, pelo menos estes, deveriam aparecer também!"

sexta-feira, fevereiro 22, 2013

madonna - agent provocateur

Madonna, fotografo Steven Meisel
"Happy Birthday Madonna"

 Confunde-se Liberdade com libertinagem, coisas tão distintas. Todavia, os libertinos oligarcas são os responsáveis pelas grandes libertinagens...

segunda-feira, fevereiro 18, 2013

granny smith, october harvest


granny smith

green, extremely tart, crisp,
juicy and versatile,
they’re available year-round.
grannies are a favorite of
Washington state pie-bakers.
they’re also excellent for
snacking and salads.
warm days and cool summer nights
ensure crunch and flavor for
October harvest.

foto sam haskins

segunda-feira, fevereiro 11, 2013

Isabelle Adjani - Gemiddelde Voedingswaarde

isabelle adjani
SomE girls haVe it, Others girls  Don'T!

apolítica - tanta peixeirada para quê..




Sara Sampaio
Por acaso ouvi isto e pensei: é-na!!! Tanto dinheiro! Isto é tido como um bem de um senhor muito indispensável que de tanto saber tem de ser pago assim. Olham-no com desvelo e admiração.... Esta gente, pergunto; não devia estar presa, devolver os bens ao erário público....sei lá, pedir desculpa, repartir. Ninguém no Mundo ganha assim!! Que será esta tendência de um país de "minhocas" para a GRANDEZA? O mais....o melhor...o maior.... Tanto Ladrão!!! Como é que um local tão pré-histórico e pequeneco dá esta cáfila de gatunos encartados é que será sempre para mim um mistério. E não vale a pena discutir, que são todos muito espertos..... e com ares de grandes senhores.... é patético. Um país perigosíssimo. A Guerra ao pé disto é uma actividade saudável.
Miguel Cadilhe recebeu do BPN 10 (dez) milhões de euros, pagos à cabeça, para dirigir aquele banco durante os 6 meses finais da sua existência no sector privado. Depois da declaração de insolvência nunca os devolveu. Os portugueses vão ter de pagar sete (7) mil milhões de euros pela nacionalização do BPN levada a cabo pelo governo de José Sócrates.Tal como na Islãndia temos frio. Tal como na Islãndia temos chuva. Por que não levamos a tribunal todos os implicados nesta escandaleira bancária, tal como na Islândia?

quarta-feira, fevereiro 06, 2013

terça-feira, fevereiro 05, 2013

sixty nine

Anedota ouvida em novela brasileira: «tá precisando de homem? Então liga à Branca de Neve para ver se ela libera um anãozinho.»

domingo, fevereiro 03, 2013

Declaração de Anonimato

Não podemos insultar ninguém na blogosfera, ou melhor podemos, mas ficamos sujeitos às consequências disso, tal e qual como se tivéssemos injuriado
no meio da rua.


…há aqui uma questão adicional: a confidencialidade. O insulto no meio da rua, apesar de tudo, não é anónimo, as entidades de investigação sabem como hão-de chegar ao prevaricador. Na Internet e na blogosfera isto é mais difícil, embora não seja impossível.
Embora haja ainda questões para acertar ao nível da legislação – que têm a ver com os serviços providers e o tempo que são obrigados a reter as informações de acesso básicas que são actualmente de seis meses – em muitos casos os agentes têm mecanismos de identificação ao dispor. Partindo de informação proporcionada pelos alojadores de blogues e pelo ISP, as autoridades credenciadas conseguem chegar ao prevaricador. O anonimato é aliás mais difícil de manter na Internet, ao contrário do que as pessoas pensam, do que no meio da rua.

Espalhar cartazes não assinados pela cidade pode se realizado no maior dos anonimatos, mas a publicação na Internet deixa rastos.

Mais complicados de combater, desde logo porque difíceis de avaliar, serão os assassinatos de carácter: uma pequena rede de blogues pode usar o seu poder para tentar (e conseguir) liquidar a reputação de alguém tomado por alvo, ou dependendo das suas capacidades para coligir informação, do seu tempo para caçar, descontextualizar e amplificar erros e contradições, pequenas ou grandes, da repetição sistemática com que o façam. O que antes era apenas possível com grandes recursos de tempo e dinheiro para investigar e mandar publicar, faz-se hoje na rede em poucos dias e usando os gratuitos Google e blogues.
Temos portanto que valores em geral protegidos no mundo dos átomos ficam subitamente desprotegidos face a este tipo específico de criminalidade informática, sejam os delitos de pequena, média ou grande dimensão. Um número cada vez maior de agentes e entidades judiciárias preocupa-se com o que podemos classificar de quadro emergente de impunidade. A criminalidade informática apresenta uma questão maior à sociedade, um verdadeiro desafio, pois possui uma dinâmica propriciadora de génese das formas criminais até aqui insuspeitas, com modus operandi cujas peculariedades consequenciam, pelas dificuldades da detecção, verdadeiras situações de impunidade formal.

Paulo Querido
Monica Bellucci
Quando a actividade do Governo centraliza a actividade legislativa na concretização de negócios e não na implementação de POLÍTICAS, não se pode estranhar que as funções da Assembleia da República sejam apenas as de um Conselho , Superior de Supervisão e Estratégia e as do Presidente da República as de um verdadeiro Chairmain! E já se perfilam sucedâneos dos actuais, para o próximo futuro!

Jessica Biel - Gemiddelde Voedingswaarde

Jessica Biel

Hotel Particulier - Mikael Jansson


Hotel Particulier


Foto Mikael Jansson

sábado, fevereiro 02, 2013

á duzia é sempre melhor - os tugas e as manifestações

Aqui que ninguém nos ouve... e a propósito de haver duas convocatórias de manifestações para o mesmo dia (já se sabe que a nossa foi publicada muito antes da outra)... não era lindo termos o terreiro do Paço cheio de povo, fazendo dele o terreiro do povo, e ter também a outra manifestação que pretende ir para a Assembleia cheia, ela também, mostrando que o povo está na rua em todas as ruas? Temos povo para isso?? Espero que sim!

e venham mais cinco
Old Erotic Art

sexta-feira, fevereiro 01, 2013

foto jan saudek
To be, or not to be: that is the question:
Whether 'tis nobler in the mind to suffer
The slings and arrows of outrageous fortune,
Or to take arms against a sea of troubles,
And by opposing end them? To die: to sleep;
No more; and by a sleep to say we end
The heart-ache and the thousand natural shocks
That flesh is heir to, 'tis a consummation
Devoutly to be wish'd. To die, to sleep...

William Shakespeare

terça-feira, janeiro 29, 2013

o dom


esperavas por mim, como se quisesses alcançar todos os sonhos.
na minha pele há uma dor que eu não sei e que desenha caminhos,
um grande espaço em branco, entre o meu e o teu corpo.
tenho fome de ti. quero que permaneças (em mim). desapareces.
a pouco e pouco. desapareces. e ainda te grito: fica. fica.

já não consigo, dizes. não consigo. desapareces, não há caminho.
pele dor. sonho espaço em branco. saudade. sinto em ti, saudade.
as memórias de um dia feito amor. do caminho que julguei ser o último.

de "a vida sem ti não faz sentido", alonga-se o desejo nas palavras.
todas as palavras que ficaram por dizer. dormirei sem sonhos,sem ti.
pesadelo inconstante, o teu adivinhar feito hoje e agora. sem ti.
sinto uma terrível pena de mim, numa dor que me atravessa sem sentido.

domingo, janeiro 27, 2013

he said she said



She said, "If we're going to make this work.You have to let me inside, even though it hurts. Don't hide the broken parts, that I need to see." - "Like it or not, that's the way it gotta to be!" You have to love yourself; if you can ever love me. 

 He said, "I'll do whatever it takes - to turn this around. I know what's at stake; I know that I've let you down. But if you give me a chance, and believe that I can change: I'll keep us together

sexta-feira, janeiro 25, 2013

so true


Any man can be trained to give a girl what could possibly be the most technically flawless fucking of her life, but if he doesn’t know what to whisper in her ear when he’s behind or how to look at her when he’s inside, then it doesn’t really matter.

quinta-feira, janeiro 24, 2013

"never sleep alone"


painel
ajuda
definições...
modelo
negrito
itálico
CTRL?


publicar
que queres dizer com isto?
pânico

titulo?


"never
sleep
alone"


always naked

undressed?
undress


atalhos
guardar
estou sem inspiração
vou esticar-me no sofá

já volto mais
até logo.


foto guy lebaude

sábado, janeiro 12, 2013


since I've been the master of low expectations
aren't
you humans supposed to look like me?
since we're the believers with tall
expectationscan't you humans come have a laugh with me?

do you really
need to learn to save a human?
foto kevin rolly

sexta-feira, janeiro 11, 2013

once upon a time


os dedos penetram, rasgam, enterram-se e procuram.
dedos nervosos, destino cego, mais do que olhos, mais do que raizes, traçam o seu caminho.
dentro de ti, exploro o rasto com dedos impacientes.

foto anders peterson

sábado, janeiro 05, 2013

Omnipresente em Mim



és um ritmo a arder, um grito a cantar, o fruto e a flor.
és o mundo que delira
,o pé de vento.a vida que chama o riso o amor a espera o futuro.
o presente num piscar de olhos
sem defesa, espero por ti
o Futuro do Amanhã. aparece. desaparece.
saber todos os talvez. ouvir tu tens de SER
Omnipresente em Mim

foto Leonard Freed

sexta-feira, janeiro 04, 2013



uma atenção no ar as vertentes do sonho, qualquer coisa que nos faz pensar ser a distância muito curta, qualquer coisa como a catastrófica imagem da natureza humana...

brainstorming...


foto james houston

quinta-feira, janeiro 03, 2013

and Death asks: are you crazy or what?

arno rafael minkkinen
something you should know
visitors: 3999 visitors only today...

here I am and within the reach of my hand
and she's sweeter now than the wildest dream
não vale a pena procurá-la ela acabará por vir
moro perto daí.não te conheço nem me interesso.
conhecer-te seria o fim. J. nado nas águas onde.
onde. o lodo se afunda. through the lost ones...

but I know she'd be hunting high and low
high. my dreams are depending. I sense.
sense the pounding of her heart, high.
ela vem e toma-me. toma-me. nas águas
das águas. no lodo profundo. deep. deep
in the heart of her...
and SHE asks: do you know what it means
to love me? afundo-me. mergulho. caio.
and DEATH asks: are you crazy or what?
DO YOU KNOW WHO I AM?

i am the boy who longed to fly. my dreams
afundam-se comigo, sou. sou eu...
sim sou eu. i hear her say:
so I guess i'll be hunting high and low...


Arquivo do blogue