terça-feira, novembro 01, 2011

quilómetro 234

quando as forças te abandonam. os teus reflexos,
a tua vida, resta a dor. a dor que te envolve por todo
o lado, a dor que resta por ti, aí.
viste-a.
apalpaste-a.
saboreaste essa dor que te transmiti.
tomaste-lhe o pulso.
mendigaste para que te deixasse
a dor rodeia-te
à tua volta só ela existe
imensurável, a dor.


fúria, rasguei papeis, parti bules, taças, vidros, desesperei.
fugi, fugi para tentar escapar, dali para aqui, daqui para ali,
para que ela não me tome, para que me deixe em paz,
para que não volte. envolve-me de novo, eu e a dor
respiramos na boca um do outro. somos uma só.

de medo e amor, correntes de palavras, sucessivos os dias,
eu sou o reflexo , reto, simétrico que envolve o meu corpo.
no mundo onde  não era silêncio, o meu corpo transformado
é claro e brilha. sou eu. somos um só até ao quilómetro
235

sexta-feira, junho 17, 2011

Not believe that I love you? You cannot pretend to be so incredulous. If you do not believe my tongue, consult my eyes, consult your own.

foto de autor desconhecido

quarta-feira, junho 15, 2011

Dylan Ricci - the erotic eye

i'm kind of tired cause
you wouldn't let me sleep last night
i'm a reasonable man
but i can't believe whats on your mind
and the past three weeks were the sadest weeks
and the words you said made me weak
i'm out of my mind, i'm about to crack

so let's call this the comeback

foto dylan ricci

o amor não se explica

eric boutilier-brown
ainda um dia me hei-de encontrar contigo
para que me expliques como é difícil viver sem ti.

Viver sem ti, tão complicado.
Como viver contigo,
ainda me hei-de encontrar contigo.
Para me dizeres como foi complicado amar-te assim.

e as vozes continuam nos ouvidos dos dois amantes
presos no encantamento das ondas encantadas. dádiva.

viver contigo, amar-te asssim,
ainda me hei-de encontrar contigo.

O amor não se explica, não me estou a repetir,
quero só que saibas que não consigo compreender.

não consigo compreender, meu amor.
quero só que saibas, o amor não se explica.

corre o ano de dois mil e vinte e três, hora zero.
dia um do mês dois. o encantamento do sonho galáctico.
treze luas passaram a Nave Tempo Terra está em posição.

O canto da sereia na ilha encantada cala-se. Feitiço.

feitiço o que sinto por ti. os teus braços chamam-me.
O amor não se explica, não me estou a repetir, meu amor.
meu amor, não consigo compreender. vem. é a chamada. vem.
Enquanto me quiseres estarei aqui. Enquanto. Chama-me.

Os dois amantes fazem do rio a sua casa, a sua cama.
Abrem-se as portas de todas as ondas encantadas.
O canto da sereia faz-se ouvir de novo. Branco. Liso.
O encantamento do Sonho galáctico apenas começou...



update available
a new version of woman
is ready to be installed

foto jeremy park





a vingança serve-se fria
ou as três vingadoras....

foto ellen von unwerth

sábado, maio 21, 2011

ABC Sexo

Abre-te!
Beija-me!
Cobre-me!

Amar-te é volúpia
Brincar é malicia
Carícia é pingo de mel.

Ai!
Basta!
Cala-te!

Abraço-te, queres?
Belisco-te, gostas?
Colo-me a ti, einh?

Ah!
Biscoito
Crocante!

Às nuvens subi
Bebendo o teu néctar
Crescendo-me em ti!

Ata-me!
Bebe-me!
Come-me!

Agora imparável
Brutalmente bom
Cada vez melhor!

Noel Ferreira

foto Kevin C Loreaux

quarta-feira, maio 18, 2011

O Dom

foto  baciar
ouve.
as histórias que
lês desde o princípio
já as contei.
enigma.
no princípio era o
verbo.
vê.

as histórias
que já te contei aqui
tornarem-se realidade
para a frente. 
já as
contei
lá atrás.

eu sou o enigma
lê o verbo aqui.
no princípio
eram mentiras - dizias.
tudo que foi dito
acontece 
aconteceu
acontecem. 
não param de acontecer....

não te assustes
descodifica

os outros
não acreditam
medo de acreditar
acreditas
tu
a eles
falta-lhes
o "conhecimento"

you are...


you are...A MAN



foto dylan ricci

quarta-feira, março 16, 2011



foto denis olivier
As nossas bocas misturam-se com as línguas, o corpo inflama-se, dói quase. Deixa-me beijar-te por dentro.
Pedro Paixão

segunda-feira, março 07, 2011


O beijo solta-se-me na boca
rola-me nas mãos, cai-me no chão.
Levanto-o, sem pensar, entranho-o,
devolvo-o, no cair da boca chama.
Fome de desejo, o beijo aponta,
chega-se-me em marés de bocas,
supreendentes bocas, bocas fome.
Doces as bocas, em religiosidade
de beijos que se espreguiçam lânguidos.
E eu, a querer só a tua boca, o beijo
que se solta, que cai no chão,
em marés na saudade de ter
o beijo sem ser. Guardá-lo.
Beijo a tua boca em exorcismo
de coisa nua, chamas e poentes clandestinos.
O beijo que se solta e se espreguiça, lânguido.
Lânguidas bocas, onde o beijo aponta.


ouve. as histórias que lês desde o princípio , já te contei. enigma .
no princípio, era o verbo. vê as histórias que te contei aqui
tornarem-se realidade . eu já sou um deles. lá atrás. pensa.

para a frente, já as contei lá atrás. são-te familiares. vê. lê. para a frente.

eu sou o enigmalê o verbo aquijá do princípio
novelas aconteceram
acontecem
. não param
de acontecer....

Coincidências. Acasos. Enigma.

Nota 0
Nota 20


descodifica

surpresa ainda.
Bruxa. Bruxo.
Noutros tempos, fogueira.
Verdade.

Hoje: o "conhecimento".
não tenhas medo. não te faço mal.
NÃO DIGAS QUE NÃO TE AVISEI.

O DOM


foto miguel angel barron

sexta-feira, março 04, 2011

e, no entanto



na solidão do ar lá está ela
o fogo da fogueira segredo.
pensamento. demora.
turbulento coração;
«ouve que te amo»
e, no entanto,
espero por ti, o corpo saudoso
à espera.  tu virás com o teu teatro,
o barulho, o verbo
e, no entanto,
ficam sempre por dizer
as palavras principais e urgentes.
errantes os teus cabelos
soltam-se no meu peito,
o muro do silêncio irrompe do corpo,
e somos pensamento encadeado,
o barulho, o verbo.

foto andré simões

quarta-feira, março 02, 2011

Lillian Bassman, Barbara Mullen

New York. Harper's Bazaar,  1950

Quando te amo fico assim criança, sem palavras. Só posso dizer o que te digo poderia dizer que te amo, não sorrias. Sabes como eu, como se fosse possível fugir. Para quê mais palavras. Como me deixassem dentro dos teus olhos, as palavras. As palavras nas palavras. Eu próprio para trás. Estás linda, acredito no silêncio. Palavras são como as cerejas, tu e eu, não conseguimos parar.
Palavras. Palavras. Conheces-me tão bem, chegou a altura de dizer.

Dizer-te: amo-te. Amo-te demasiado quase demasiado ou mais do que demasiado.
E tu dizes:-amo-te-.
E ao dizeres amo-te pousas os lábios na minha testa. És linda e eu amo-te.

terça-feira, março 01, 2011



e ela veio, calada
tem a cor do coração do homem

só mais um dia
hoje o dia foi fome

ela tem o poder de uma criança
amanhã, sempre quiseste o amanhã

frases soltas de um homem cansado
o amanhã na esperança do teu corpo.

foto eric richmond

domingo, fevereiro 13, 2011


a minha boca ficou no teu pescoço
nesse ponto, nessa marca, nesse teu
jeito de morderes as palavras, dança
nos braços da tua quentura, sensualidade
de dizeres amanhã, hoje, ou nunca.
nunca. a tua marca em tudo o que fazes,
dizes, mostras. a minha boca continua
no teu pescoço e os meus lábios procuram
aí. nesse ponto, nessa marca, na dança
das palavras, na quentura dos teus braços.

foto Ernestine Ruben

terça-feira, fevereiro 08, 2011


she's the queen of the queens.
she's the queen of the night.


the abyss calling the abyss...

foto paolo santambrogio

Arquivo do blogue