sexta-feira, novembro 14, 2008

lost paradise



forbidden fruit
metaphor
object of desire
appeal
knowledge

indulgencepleasure
tree of knowledge of good and evilfirst sin
paradise lostinnocence
man
woman
lost paradise

foto daniel herrera

segunda-feira, novembro 10, 2008


Anel à superficie da água, onde as minhas mãos não entram,
num dia de sol numa noite como a de hoje no reflexo de ti.
A água escorre em desalentados ósculos na minha vida cinzenta.
Encontro a paz. Na tua mão, o meu coração feito a fogo, ferrado.
Mergulho ao teu encontro. Vigias-me os golpes, saturas-me a alma.
As ondas envolvem-te, desapareces enquanto chamo por ti. Voltas.
Não. É verdade. Não voltas. Espero por ti no lugar do desalento,
naquele do acreditar na esperança de acreditar. É verdade. Não.
Naquela manhã de sol em que te encontrei, espero. Espero-te lá.

foto katarzyna rzeszowska

corpo
corpos
quanto
mais te afastas de mim
mais perto me encontro
sem cura ou retorno
passo imortalo pequeno mundo na via láctea
céu estrelado
os véus do lado de lá das palmeiras
a mente em branco

do Homem
dilatados os poros
ouvidos cegos
mudos os dedos
voz calada
corpos e mentes juntos
Juntos

a mulher que se aproxima e rejeita
o homem que deseja e não quer


Tu.
nunca te tratei por tu.


A circum-navegação do mundo começamos

foto katarzyna rzeszowska

sexta-feira, novembro 07, 2008

quarta-feira, novembro 05, 2008

e a mulher tinha coração de leão

alvin booth
I love with the heart, and kill with my fellings...(Art of Love)

a mulher tinha coração de leão e alma de alma alma.
corpo de garça, rir de criança, inocência de estatura.
competia ao homem desvendar-lhe os segredos. as dores.
dores. tenta de novo disse o homem - não compreendo.
diz-me com todas as palavras para eu perceber. foi.
verdade. verdade. tudo verdade. e a mulher carregou
as suas penas, com coração de leão e inocência na alma.
olhou o homem e disse:- vou matá-lo! vou matá-lo!
És capaz? Sou! disse, sou capaz....alma. alma. a alma.

seguiu no caminho escarpado até ao homem feito animal negro.
apontou-lhe a arma à cabeça e disparou. apenas um tiro. tiroooo.


fez-se justiça! ninguém no mundo me impediria de te matar!
a alma sorriu e acompanhou-a até se encontrar a salvo.lá. lá.
onde tudo acontece e a vida deixa um rasto de morte ao passar.

Fora Feita Justiça!


The First Dream

foto Alvin Booth

The Wind is ghosting around the house tonight
and as I lean against the door of sleep
I begin to think about the first person to dream,
how quiet he must have seemed the next morning

as the others stood around the fire
draped in the skins of animals
talking to each other, only in vowels,
for this was long before the invention of consonants.

He might have gone off by himself to sit
on a rock and look into the mist of a lake
as he tried to tell himself what had happened,
how he had gone somewhere without going,

how he had put his arms around the neck
of a beast that the others could touch
only after they had killed it with stones,
how he felt its breath on his bare neck.

Then again, the first dream could have come
to a woman, though she would behave,
I suppose, much the same way,
moving off by herself to be alone near water,

except that the curve of her young shoulders
and the tilt of her downcast head
would make her appear to be terribly alone,
and if you were there to notice this,

you might have gone down as the first person
to ever fall in love with the sadness of another.

Billy Collins

segunda-feira, novembro 03, 2008


No mortal tree, you will keep growinginside me, branching in my veins.
Inside me I hear
the rustling of your leaves.

(Vasant Abaji Dahake)

foto Darren Holmes

Arquivo do blogue