segunda-feira, junho 30, 2008



puseste-te na minha frente, desafiando-me. diz-me agora que não me queres. calei-me, o meu sangue falou por mim. sentas-te no meu colo, pernas abertas. enfias-te. a tua blusa meio aberta ,as tuas mãos que me tocam, as tuas ancas, a tua boca. medindo a temperatura do meu pénis, a tua mão. pára! mordi-te e ri-me. diz-me agora que não me queres. abraçada a mim,deslizas, até o teu sexo húmido tocar o meu, rijo e pronto.

calámos-nos. as tuas ancas a fazerem aquele movimento de vaivém.
exactamente assim, disse-te.
os meus braços enlaçam-te

e não paraste




quinta-feira, junho 19, 2008

Viver todos os dias cansa


A vida corre e corre, a vida passa,
Nem sequer nos permite um sentimento.
A vida corre e corre, a vida passa,
E tudo se converte em pensamento.

A vida corre e corre, a vida passa,
Cada sorriso esconde um sofrimento.
A vida corre e corre, a vida passa,
Em toda a gargalhada hà sofrimento.

Tudo o que é alegria mente e chora.
O olhar mais aberto, o olhar mais pronto,
A vestir-se de cor é triste. E implora

Uma réstea de sol que lhe faltou.
Que a vida é um perpétuo confronto,
Entre o que se viveu e se sonhou.

How Do You Describe A Feeling
foto frank boots

sexta-feira, junho 13, 2008

quisera eu que amanhã te levasse.

amanhã espero-te no hotel de sempre estendida sobre a cama sem levar mais nada que não seja o meu corpo a minha alma o meu desejo o meu amor os beijos e as carícias vibrantes nas minhas mãos. 
soubesse eu que no mundo a fonte pura e serena estivesse comigo amanhã. levar-te-ia a água bebida, as árvores, as flores e todos os amantes do mundo no nosso fazer amor. 
quisera eu que amanhã te levasse.

foto china hamilton

sábado, junho 07, 2008


algo no escuro brilhou e me chamou a atenção.
no ar o escasso momento de lua nova. poente.
conseguia ver-lhe a veste, branca, difusa.
contigo vai, pintado de branco celeste. céu.
e nós nascidos sem sermos vistos nessa manhã
entregamos-lhe as vestes de branco iluminado.

corria o ano de 1688. um brando vento é voo; 16 88
e escorre o dia sem que na vida passe alheio dia.
alheio.
a sequência dos sons que me chegam lentos. lentos.
branca, difusa, dança na minha direcção. fluxo.refluxo.
guarda o meu segredo. a vida cessou ali, minutos. horas.
1688, o dia era quente e a noite aconteceu nesse dia.
16/88.

durmo e acordo nesse lugar onde não estou. vivo.
16.88
a agenda diz que a hora marca o meu caminho. vivo.
caminho em direcção a ela. guarda o meu segredo. diz.
diz?
1.6/88
olhos fixos. dias de ontem. marcados a meu pedido.
fui eu que fiz, fui eu que os fiz acontecerem. Maior;
16/29
abandono tudo. volto as costas. não falo. não olho.
ela sabe. ela espera-me. ela. ela. ela. Maior que Eu.
viro-me. parto na sua direcção.
16/30
Ela. Não está lá. Ela não está lá!!
1.6 88 16/88 1688

Ponho óculos de chuva para morrer...


foto rick mccawley

Arquivo do blogue