sexta-feira, maio 23, 2008

Dentro do meu sonho a mulher nasceu e tomou forma. Ali onde.

Hans Peter Muff
Dentro do meu sonho a mulher nasceu e tomou forma. Ali onde.
Olhar de suave candura onde os olhos escrevem palavras de amor.
Não a olho. Vagueia pela casa. Sofro. Quero que me olhe nos olhos.
Delírio. O mundo parou, todas as horas pararam. Olho-a, penso:
vago vislumbre de ondas alterosas, prazeres insólitos, inocência.
O alto pescoço, o vago sensual porte de animal nobre. Avalia-nos.
Quantos, como nós, terão de dizer que não a querem. Ali, onde.
Pingar de suor, suor nesse luar de mundo onde olha como se esconda.
Soletrar no seu ventre as sílabas onde nascem todas as ondas. Ali!
Preciso dela! Não escolhi. Veio apenas de encontro aos meus sonhos.


ali. onde a mulher nasce existe um criado esquecimento.
linhas ríspidas, suaves clarões em desenhadas nuvens brancas.
crispado corpo ao alto. energia planetária. canto belo maravilhoso
de mágicas atracções. a passagem do desconhecido à união labareda.
cintilantes fogos. lembrança. do amor. do desejo. da posse mágica.
nalgum sítio secreto onde existe, se esconde, se mostra. lembrança.
uma espécie de saudade física onde o amor vagueia vago. Ali.
vislumbre de vagas alterosas onde se escreve a palavra amor.

foto jerry n. uelsmann

Arquivo do blogue