sexta-feira, dezembro 26, 2008


Romeo
whatever...
underneath the
grove of sycamore

so early walking
did i see your son

many a morning
hath he there been seen

with tears
augmenting

the fresh
morning dew


william shakespeare

foto erwin olaf

segunda-feira, dezembro 08, 2008

foto Margarida Delgado


os teus lábios parados eram a noite, o abismo
e o silêncio das ondas paradas de encontro às
rochas, o teu rosto dentro das minha mãos.
os meus dedos sobre os teus lábios e a ternura,
como o horizonte, debaixo dos meus dedos.
os meus lábios a aproximarem-se dos teus lábios,
os teus olhos entreabertos, os teus olhos e os
teus lábios a aproximarem-se dos meus lábios
a aproximarem-se dos teus lábios a aproximarem-se
dos meus lábios, teus lábios.

José Luís Peixoto


quarta-feira, dezembro 03, 2008

pássaro anjo mulher metáfora em céu aberto
luz de um só ser contigo o fim provável improvável 
palavras fortes desejos ocultos
carne sonho rede de fogo vermelho
papel roído, pensamento tórrido. suave. 
estou  em ti 
mas que sei eu?

foto  Olivier Valsecchi 



escondes um segredo, terrível segredo,
falas de Amor como quem foge fugindo.
Os corpo nus como deuses em terra esculpidos
danças ao som de flautas, envolta em brancos mantos.
rodeiam-te as sombras de um qualquer amante. orgasmos.

Orgarmos desenhados em sonhos de amante a quem chamas, chamando.
nome que não te cabe na boca, desejo que te alimenta o corpo. Fogo.
Viagem na verdade a que chamas ilusória. Rodeiam-te. Cercam-te.
és a mulher feita à semelhança dos que te vêem. não és tu. Tu.

Descobres num cálido Novembro a verdade sobre o Outro. Eu.
ele mesmo ele, o que esperas, o que apontas, a alma. O.
Tu comigo e eu contigo. O encontro. O redigir título.
de novo uma bela criação de um homem e uma mulher.
Juntos, tu comigo, eu contigo. Ele. Ela. Tu. Eu.

Foto katarzyna widmanska

terça-feira, dezembro 02, 2008

empalidece-me de beijos
veste-me de desejos
à boca da noite viaja
neste fogo devaneio...


foto gabrielle rigon

segunda-feira, dezembro 01, 2008


...informações que antes de chegarem à tua mente, chegam primeiro à minha.
eles estão aí, não vieram para te fazer mal,vieram para te darem o conhecimento.

visões. presenças que sentes a teu lado. a tua mente a trabalhar a 3oo à hora.
a descodificação. és uma máquina que compreende e assimila.

tens de dar-lhes as tuas emoções, o amor, o ódio. eles não sabem o que isso é.
vieram para ficar. nunca te farão mal.
serás uma pessoa melhor.

sabes coisas que irão acontecer.
sabes quem te trai.
escutas.
prevês.
lês mentes.
amas alguém, eu sei.
sei quem é.
sou eu. tu amas-me.
e eu amo-te.


eles assimilam, descodificam e deitam fora o que não presta. no fim terás o dom...
eu tenho o Dom.

foto jeremy webb


ouve. as histórias que lês desde o princípio , já te contei. enigma .
no princípio, era o verbo. vê as histórias que te contei aqui
tornarem-se realidade . eu já sou um deles. lá atrás. pensa.

para a frente, já as contei lá atrás. são-te familiares. vê. lê. para a frente.

eu sou o enigmalê o verbo aquijá do princípio
novelas aconteceram
acontecem
. não param
de acontecer....

Coincidências. Acasos. Enigma.

Nota 0
Nota 20


descodifica

surpresa ainda.
Bruxa. Bruxo.
Noutros tempos, fogueira.
Verdade.

Hoje: o "conhecimento".
não tenhas medo. não te faço mal.

foto miguel angel barron
hoje não sei cantar-te em versos
só te sei dizer em mãos....

foto poivre

the reason is you...


the reason is you...
compreende e assimila.
não te assustes se algo te é
estranho. a partilha.
percepções desconhecidas.
tu vais ser codificado,
adoptado. tu não os reconheces,
a tua mente não os registou.

nós somosos escolhidos.vais pertencer a um mundo melhor
escuta. . sente. não te Assustes.

foto jeremy webb

sexta-feira, novembro 14, 2008

lost paradise



forbidden fruit
metaphor
object of desire
appeal
knowledge

indulgencepleasure
tree of knowledge of good and evilfirst sin
paradise lostinnocence
man
woman
lost paradise

foto daniel herrera

segunda-feira, novembro 10, 2008


Anel à superficie da água, onde as minhas mãos não entram,
num dia de sol numa noite como a de hoje no reflexo de ti.
A água escorre em desalentados ósculos na minha vida cinzenta.
Encontro a paz. Na tua mão, o meu coração feito a fogo, ferrado.
Mergulho ao teu encontro. Vigias-me os golpes, saturas-me a alma.
As ondas envolvem-te, desapareces enquanto chamo por ti. Voltas.
Não. É verdade. Não voltas. Espero por ti no lugar do desalento,
naquele do acreditar na esperança de acreditar. É verdade. Não.
Naquela manhã de sol em que te encontrei, espero. Espero-te lá.

foto katarzyna rzeszowska

corpo
corpos
quanto
mais te afastas de mim
mais perto me encontro
sem cura ou retorno
passo imortalo pequeno mundo na via láctea
céu estrelado
os véus do lado de lá das palmeiras
a mente em branco

do Homem
dilatados os poros
ouvidos cegos
mudos os dedos
voz calada
corpos e mentes juntos
Juntos

a mulher que se aproxima e rejeita
o homem que deseja e não quer


Tu.
nunca te tratei por tu.


A circum-navegação do mundo começamos

foto katarzyna rzeszowska

sexta-feira, novembro 07, 2008

quarta-feira, novembro 05, 2008

e a mulher tinha coração de leão

alvin booth
I love with the heart, and kill with my fellings...(Art of Love)

a mulher tinha coração de leão e alma de alma alma.
corpo de garça, rir de criança, inocência de estatura.
competia ao homem desvendar-lhe os segredos. as dores.
dores. tenta de novo disse o homem - não compreendo.
diz-me com todas as palavras para eu perceber. foi.
verdade. verdade. tudo verdade. e a mulher carregou
as suas penas, com coração de leão e inocência na alma.
olhou o homem e disse:- vou matá-lo! vou matá-lo!
És capaz? Sou! disse, sou capaz....alma. alma. a alma.

seguiu no caminho escarpado até ao homem feito animal negro.
apontou-lhe a arma à cabeça e disparou. apenas um tiro. tiroooo.


fez-se justiça! ninguém no mundo me impediria de te matar!
a alma sorriu e acompanhou-a até se encontrar a salvo.lá. lá.
onde tudo acontece e a vida deixa um rasto de morte ao passar.

Fora Feita Justiça!


The First Dream

foto Alvin Booth

The Wind is ghosting around the house tonight
and as I lean against the door of sleep
I begin to think about the first person to dream,
how quiet he must have seemed the next morning

as the others stood around the fire
draped in the skins of animals
talking to each other, only in vowels,
for this was long before the invention of consonants.

He might have gone off by himself to sit
on a rock and look into the mist of a lake
as he tried to tell himself what had happened,
how he had gone somewhere without going,

how he had put his arms around the neck
of a beast that the others could touch
only after they had killed it with stones,
how he felt its breath on his bare neck.

Then again, the first dream could have come
to a woman, though she would behave,
I suppose, much the same way,
moving off by herself to be alone near water,

except that the curve of her young shoulders
and the tilt of her downcast head
would make her appear to be terribly alone,
and if you were there to notice this,

you might have gone down as the first person
to ever fall in love with the sadness of another.

Billy Collins

segunda-feira, novembro 03, 2008


No mortal tree, you will keep growinginside me, branching in my veins.
Inside me I hear
the rustling of your leaves.

(Vasant Abaji Dahake)

foto Darren Holmes

segunda-feira, outubro 27, 2008



Agarrou num caderno, separou quatro folhas.
Em cada uma escreveu quatro nomes.Nomes.
Em seguida, a razão que a levava a escrever.
Dobrou as folhas, meteu-as nos diversos envelopes.
Endereçou-os: para o amigo americano, o segundo para um amigo
de confiança, o terceiro para a irmã, o quarto, para longe.

Nessas missivas disse: as pombas que estão
no meu ombro irão voar, quero que vocês as abatam
se algo me acontecer. Não disse qualquer palavra.
Fechou os envelopes, selou-os e enviou-os.
Juntamente iam as moradas dos donos das
pombas. Depois de o ter feito, sentiu-se mais calma.
Empertigou-se na cadeira.

Ela era, em si mesma, um.
Guardiã da Fé, da nova Fé.


foto Andrea A

A Palavra

terça-feira, outubro 07, 2008

feitiço


vem
sinto-te
desejo proibido
perde-me
encontra-me
como se escreve o amor 
nesta loucura que sinto?

foto Oleg Kosirev

quinta-feira, outubro 02, 2008



Foi um dia como o de hoje, mais um homem, mais um corpo.
Já não sei o que escondes, pelas ruas sem olhos circulo.
Senti o teu sorriso nos meus olhos, na rua sem sentido,
deserta. Adivinho. Sorrisos, segredos, loucos desejos.
Tudo na insinuante sensação do que não é. Poder. Sedução.

foto ralph mecke

domingo, julho 06, 2008


ogVpogaUevGta!mrZa? Crisis;;;;ops...
ootorpab Aaron
Здесь вы можете пожертвовать на

moments of relaxation
o regresso com novas antologias


colgado y provocativo

as always...
foto aaron hawks

sábado, julho 05, 2008


Scars...

Look deep into me
Tell me what you see
A broken image
A cold empty shell
This world brings me down
I'm on my knees
A choking grip so tight
I fear the night descends

How deep the river of fate
In the silence of the hours late

I saw my other self
A smile carved in his face

Reminding me of days long gone
Things would never be the same
And time passed on and on
Brought little hope
The grief that clasps my very soul
Once held there's no return

Look deep into me
See what I've become
A pale reflection
Of what I used to be
The days which linger ever on
They all seem the same
The grief that clasps my very soul
Once held there's no return

foto philippe kerlo

segunda-feira, junho 30, 2008



puseste-te na minha frente, desafiando-me. diz-me agora que não me queres. calei-me, o meu sangue falou por mim. sentas-te no meu colo, pernas abertas. enfias-te. a tua blusa meio aberta ,as tuas mãos que me tocam, as tuas ancas, a tua boca. medindo a temperatura do meu pénis, a tua mão. pára! mordi-te e ri-me. diz-me agora que não me queres. abraçada a mim,deslizas, até o teu sexo húmido tocar o meu, rijo e pronto.

calámos-nos. as tuas ancas a fazerem aquele movimento de vaivém.
exactamente assim, disse-te.
os meus braços enlaçam-te

e não paraste




quinta-feira, junho 19, 2008

Viver todos os dias cansa


A vida corre e corre, a vida passa,
Nem sequer nos permite um sentimento.
A vida corre e corre, a vida passa,
E tudo se converte em pensamento.

A vida corre e corre, a vida passa,
Cada sorriso esconde um sofrimento.
A vida corre e corre, a vida passa,
Em toda a gargalhada hà sofrimento.

Tudo o que é alegria mente e chora.
O olhar mais aberto, o olhar mais pronto,
A vestir-se de cor é triste. E implora

Uma réstea de sol que lhe faltou.
Que a vida é um perpétuo confronto,
Entre o que se viveu e se sonhou.

How Do You Describe A Feeling
foto frank boots

sexta-feira, junho 13, 2008

quisera eu que amanhã te levasse.

amanhã espero-te no hotel de sempre estendida sobre a cama sem levar mais nada que não seja o meu corpo a minha alma o meu desejo o meu amor os beijos e as carícias vibrantes nas minhas mãos. 
soubesse eu que no mundo a fonte pura e serena estivesse comigo amanhã. levar-te-ia a água bebida, as árvores, as flores e todos os amantes do mundo no nosso fazer amor. 
quisera eu que amanhã te levasse.

foto china hamilton

sábado, junho 07, 2008


algo no escuro brilhou e me chamou a atenção.
no ar o escasso momento de lua nova. poente.
conseguia ver-lhe a veste, branca, difusa.
contigo vai, pintado de branco celeste. céu.
e nós nascidos sem sermos vistos nessa manhã
entregamos-lhe as vestes de branco iluminado.

corria o ano de 1688. um brando vento é voo; 16 88
e escorre o dia sem que na vida passe alheio dia.
alheio.
a sequência dos sons que me chegam lentos. lentos.
branca, difusa, dança na minha direcção. fluxo.refluxo.
guarda o meu segredo. a vida cessou ali, minutos. horas.
1688, o dia era quente e a noite aconteceu nesse dia.
16/88.

durmo e acordo nesse lugar onde não estou. vivo.
16.88
a agenda diz que a hora marca o meu caminho. vivo.
caminho em direcção a ela. guarda o meu segredo. diz.
diz?
1.6/88
olhos fixos. dias de ontem. marcados a meu pedido.
fui eu que fiz, fui eu que os fiz acontecerem. Maior;
16/29
abandono tudo. volto as costas. não falo. não olho.
ela sabe. ela espera-me. ela. ela. ela. Maior que Eu.
viro-me. parto na sua direcção.
16/30
Ela. Não está lá. Ela não está lá!!
1.6 88 16/88 1688

Ponho óculos de chuva para morrer...


foto rick mccawley

sexta-feira, maio 23, 2008

Dentro do meu sonho a mulher nasceu e tomou forma. Ali onde.

Hans Peter Muff
Dentro do meu sonho a mulher nasceu e tomou forma. Ali onde.
Olhar de suave candura onde os olhos escrevem palavras de amor.
Não a olho. Vagueia pela casa. Sofro. Quero que me olhe nos olhos.
Delírio. O mundo parou, todas as horas pararam. Olho-a, penso:
vago vislumbre de ondas alterosas, prazeres insólitos, inocência.
O alto pescoço, o vago sensual porte de animal nobre. Avalia-nos.
Quantos, como nós, terão de dizer que não a querem. Ali, onde.
Pingar de suor, suor nesse luar de mundo onde olha como se esconda.
Soletrar no seu ventre as sílabas onde nascem todas as ondas. Ali!
Preciso dela! Não escolhi. Veio apenas de encontro aos meus sonhos.


ali. onde a mulher nasce existe um criado esquecimento.
linhas ríspidas, suaves clarões em desenhadas nuvens brancas.
crispado corpo ao alto. energia planetária. canto belo maravilhoso
de mágicas atracções. a passagem do desconhecido à união labareda.
cintilantes fogos. lembrança. do amor. do desejo. da posse mágica.
nalgum sítio secreto onde existe, se esconde, se mostra. lembrança.
uma espécie de saudade física onde o amor vagueia vago. Ali.
vislumbre de vagas alterosas onde se escreve a palavra amor.

foto jerry n. uelsmann

Arquivo do blogue